29
Jun 09

Hesitei antes de tocar na campainha, afinal o que é que eu estava ali a fazer? Quase que sentia o cheiro a sangue fresco vindo do interior do castelo, devia estar entranhado há séculos naquelas paredes de pedra escura. Curiosamente foi isso que me fez avançar, as boas recordações.

A porta rangeu ao abrir-se e isso fez com que o rapaz que me seguia tremesse. Tive de sorrir, alguns humanos são tão estúpidos. Bastou-me ter colocado um anúncio na internet a sugerir “Atreveste a conhecer um verdadeiro vampiro? Mostra-me a tua cara.” E mais de mil voluntários apareceram em menos de uma hora. Não sei como ainda fico admirada com a quantidade de gente que tem o desejo da morte, se vivessem no mundo há tanto tempo quanto eu e se tivessem visto as coisas que eu vi mudariam de ideias. De qualquer maneira escolhi, maldosamente, aquele rapaz que se parecia mais com o verdadeiro príncipe da história da Branca de Neve.

- Isabel! – Uma voz maravilhosa e doce penetrou nos meus ouvidos. Já não a ouvia há tanto tempo que quase me esquecia de quão encantadora e inocente ela poderia ser. – Estou tão contente por teres vindo. Estão cá todos. Vieram para o aniversário, não é maravilhoso?

Como é que eu me pudera também esquecer do tanto que ela falava?

- Trouxe-te um presente – disse-lhe sem qualquer emoção e apontado para o rapaz que parecia hipnotizado desde a primeira vez que a viu. Ele tinha-se vestido para a ocasião: capa negra, olhos vermelhos e dentes de plástico. Parecia uma máscara de carnaval. Quando o vi não tive coragem de tecer qualquer comentário uma vez que tinha a certeza que todo este teatro a iria divertir. E, olhando agora para ela tinha a certeza que ia adorar. Trajava o mesmo vestido que a tornava tão famosa, inclusive a enervante fitinha com um lacinho vermelho que se realçava no seu cabelo negro.

- Sabes sempre o que eu gosto. – disse-me ela piscando-me o olho e passando a sua mão branca pelo pescoço moreno do rapaz. – É efectivamente muito parecido com ele!

- Bem, sempre achei que isto seria melhor do que te trazer uma maçã vermelha.

Ela deu uma gargalhada, eu não me consegui rir, sabendo o destino fatal que teria aquele humano. Não é que sentisse alguma pontada de culpa por o trazer ali, aquilo apenas não me divertia.

- Estás muito tensa Isabel. Tantas décadas a conviveres com humanos não te têm feito bem e retiraram-te o sentido de humor. Faço questão devolver o fulgor que tinhas antes. Vem, vamo-nos juntar aos outros. Tenho uma surpresa para todos, entre elas um bolo com sete deliciosos anões prontos a comer.

publicado por sangue-fresco às 15:07

Os seus olhos claros percorram a plateia. Havia muita gente à sua volta: técnicos de som, produtores, realizador, maquilhadoras e, claro, os outros actores. O ambiente estava animado. Era o início das filmagens. Um projecto muito ambicioso que tinha começado há cerca de um ano e depressa tinha cativado a atenção do público, tornando-se num fenómeno mundial. A série baseava-se nuns livros referenciados pelos New York’s Time. Do sítio onde estava, ele tinha uma vista ampla sobre tudo o que acontecia. Anne e Stephen estavam a um canto junto à roulotte dela, envolvidos em mais uma das suas discussões sobre a próxima cena a ser filmada. Um sorriso matreiro nasceu-lhe nos lábios. Ele ia apreciar muito a próxima cena. Anne era o seu estilo de mulher tanto físico como… Como descrever a outra parte? Bebível? Não. Como descrever a forma como o seu cheiro o fazia salivar? Fazia-o ansiar pelo dia em que percorreria o seu pescoço, pelo dia em que sentiria o seu coração bater aceleradamente por baixo da pele. Ele sentia que podia passar horas rodeado pelo seu cheiro.

Anne…

Ao mesmo tempo que a sua mente evocou o seu nome, o seu olhar cruzou-se com o dele. Manteve o olhar dela durante uns segundos, até ela o desviar.

Alexandre fechou os olhos e imaginou-se num outro lugar. Um lugar que só ele conhecia. Bem longe daquele barulho todo. Imaginou-a naquele lugar. Cogitou como seria bom estarem lá os dois.

Fora por ela que aceitara esta proposta ridícula. Recordava-se perfeitamente como o seu cheiro o chamara do meio da multidão naquele dia. Tinha-a seguido e, ao chegar ao estúdio, tinham-lhe perguntado se estava ali por causa do papel. Para poder entrar, dissera que sim. Assim que o realizador o viu, entregou-lhe imediatamente o papel. Ironia das ironias, o papel de um vampiro nórdico. Ele até era sueco. Há muito tempo fora um viking de renome, mais isso era uma outra história. E também era um vampiro. Não como aquele conde Drácula ou qualquer outro mito. Mas isso agora não importava também. A única parte que interessava era a sua urgência de sangue para viver e só havia um que ele queria. O dela. Em breve, ela seria dele.

Anne…

O seu cheiro intensificou-se. Ele soube que ela estava perto.

- Alexandre, temos que preparar a cena do beijo – lembrou, na sua voz de anjo.

Lentamente, ele abriu os olhos.
- Claro. Mas, está tudo bem com o teu namorado?
- Sim…

Alexandre ofereceu-lhe um sorriso malicioso que ela devolveu.

-Sim, muito em breve ela seria minha…
 
Assinado: 

Alexander Skarsgrad alias Eric Northman

publicado por sangue-fresco às 14:52

mais sobre mim
subscrever feeds
pesquisar
 
blogs SAPO